Últimas Entradas »

Você mora numa excelente casa ou apartamento, mas tem notado que suas esquadrias não tem um bom desempenho acústico e o seu sono e o seu descanso estão comprometidos pelo barulho excessivo da rua, principalmente dos veículos.
Você não precisa mudar para dormir melhor.
Você pode continuar morando no mesmo lugar e melhorar o desempenho de suas esquadrias.

Como?

Usando vidros de melhor desempenho acústico, com maior espessura, e de preferência laminados.
Também pode usar vidros duplos termo-acústicos, adequadamente dimensionados para suas necessidades, e com isso ganhar também um bom desempenho térmico.

Porém, talvez só isso não seja suficiente.
É preciso verificar se as esquadrias existentes tem um bom grau de vedação, compatível com os novos vidros.
Ou se estas esquadrias comportam os novos vidros, mais espessos e mais pesados.

Caso contrário, a solução é substituir as esquadrias existentes por esquadrias novas, com modernas tecnologias de vedação, e agora sim, com vidros laminados ou duplos.

Como isso pode ser feito?

Em primeiro lugar o planejamento, a conferência das medidas, a escolha dos modelos.
Em geral, as janelas são de correr. Vedam relativamente bem, mas não são as melhores.
As janelas que vedam melhor são as de abrir e tombar (oscilo-batentes). Com ferragens importadas, caixilhos de 55 mm, comportam vidros duplos de excelente performance.

Uma vez definidas as esquadrias, aprovado o orçamento, as esquadrias são fabricadas.
Com vidros instalados. Com ou sem pintura, a critério do cliente.
A substituição é feita basicamente na medida de uma esquadria por dia, de forma a diminuir os inconvenientes.


Janela de abrir e tombar (oscilo-batente), com 03 caixilhos de 55 mm, sendo os laterais de abrir e tombar e o central fixo. Externamente 04 folhas de venezianas de abrir e correr tipo sanfona. Em madeira.
Nesta residência, em Porto Alegre, RS, foram substituidas todas as janelas dos dormitórios.
Os vidros duplos empregados foram com composição 4 mm + câmara + 6 mm.

Observação:
Neste caso, o proprietário optou por trocar a esquadria completa (caixilhos de vidros e venezianas).
Mas quando as venezianas ou persianas externas estão em bom estado, é comum que a troca seja somente dos caixilhos com vidros.

Você não precisa trocar todas de uma só vez.
Experimente, troque a do seu quarto.
Vai ver que vale a pena, e então troque as outras.

Bom proveito!

Janelas com persianas externas de enrolar em madeira

Janelas com persianas de enrolar em madeira.

Obra: Escola em São Paulo – SP.
Janelas internamente de abrir e tombar (oscilo-batentes), e externamente em persianas de enrolar, em madeira Freijó.

Venezianas de abrir e correr tipo sanfona (camarão).
Quatro folhas para cada lado.
Talas de venezianas reguláveis tipo BRISE. Largura 480 cm x Altura 210 cm.
Madeira Freijó com acabamento castanho.
Construção Flores da Cunha – RS.

Venezianas com talas reguláveis

Venezianas com talas reguláveis

Venezianas de abrir e correr tipo sanfona (camarão).
Quatro folhas para cada lado.
Talas de venezianas reguláveis tipo BRISE.
Largura 480 cm x Altura 230 cm.
Madeira Freijó com acabamento castanho.
Construção em Bragança Paulista – SP, Condomínio Quinta da Baroneza.

Esquadrias em madeira Freijó com acabamento em poliuretano (PU).

As janelas são do tipo de abrir e tombar (oscilo-batentes). 

Porta com 5,20 m de largura x 9,60 m de altura.
Devido a impossibilidade de transportar a porta inteira montada, foi construída em 3 partes e montada no local da obra.
A madeira empregada é Cedro Rosa. Ficou muito luxuosa e bonita.

Em construção

Hotel Palácio Tangará - São Paulo - SP

Obra em execução.  Com muito orgulho, todas as esquadrias de madeira desta obra foram produzidas em Novo Hamburgo / Rio Grande do Sul por Esquadrias Scheid Ltda.

A renomada marca de hotelaria de luxo Oetker Collection, uma das mais sofisticadas da Europa, vai abrir na primavera de 2017 o seu primeiro hotel tipo seis estrelas em São Paulo, o Palácio Tangará.

As obras estão em andamento em um bairro nobre da capital: ele será vizinho ao belo parque Burle Marx, cujos jardins foram projetados pelo famoso paisagista brasileiro, Roberto Burle Marx.


Apesar do delicado momento econômico e político que afeta duramente o Brasil, os executivos da grife hoteleira de luxo estão confiantes no potencial e na recuperação da economia do país, segundo me contou o CEO da Oetker, Frank Marrenbach, que veio a São Paulo para apresentar o projeto ao mercado brasileiro.
 O CEO da Oetker Collection disse também que o palácio resort vai ser um marco importante para a maior cidade da América Latina e centro financeiro do país. De fato, a capital não tem nenhum estabelecimento com essa concepção e assinatura.
O empreendimento terá 141 espaçosos quartos, entre os quais 55 são suítes, todos com vista para o parque. O nome é em homenagem a um pássaro da fauna brasileira, o Tangará da Amazônia. Dois renomados arquitetos brasileiros tocam o projeto, entre eles Patricia Anastassiadis.
Ali tudo será muito requintado: a gastronomia terá o comando de chefs renomados, como o do restaurante George V, de Nova York. E o spa vai ser abastecido com produtos da conceituada marca francesa Sisley. Uau!!!  Oetker Collection tem propriedades icônicas, como o Le Bristol Paris; o aristocrático The Lanesborough, em Londres; o Hotel Du Cap-Eden-Roc, em Cabo de Antibes; e o Eden Rock em St Barths, entre outros tão sofisticados quanto.
Fonte: simonegalib

A opção por ESQUADRIAS DE MADEIRA no HOTEL FASANO de São Paulo foi determinada pelo melhor desempenho térmico e acústico, bem como pela vedação superior, determinadas por ensaios em laboratórios especializados.
Foi empregada a madeira Freijó, com peitoris em Ipê. Os vidros são laminados, espessura 8 mm.

Nos anos de 2005 e 2006 o Copacabana Palace Hotel reformou os salões Copacabana, Atlântico e Urca.
A Scheid foi contratada para fabricar e instalar as novas esquadrias.

O problema a ser resolvido era de isolamento acústico.
O barulho da rua atrapalhava os eventos do Hotel.
O som dos eventos do Hotel incomodava os moradores dos prédios vizinhos.
As esquadrias originais, de 1923, não proporcionavam o adequado desempenho acústico e precisavam ser substituidas.

Mas o Patrimônio Histórico não permitiu a substituição das esquadrias originais, apenas uma pequena restauração.

A solução encontrada pelos projetistas foi a de construir uma segunda esquadria por dentro, a 10 cm da original, formando então três barreiras para a passagem do som: a esquadria antiga, a câmara de ar de 10 cm e a esquadria nova.

Isto decidido, a Scheid foi contratada para fabricar as novas esquadrias.
A  madeira empregada foi o Freijó.
Os caixilhos foram dimensionados com 55 mm de espessura. 
Os vidros empregados foram os laminados de 6+6 mm.
As ferragens foram importadas da Alemanha (Siegenia-Albi) e dos Estados Unidos (Baldwin).
As dobradiças de aço inox são brasileiras, da Mahler, de Porto Alegre, RS.


A foto mostra uma das portas externas, com 3,80 m de largura por 8,50 m de altura.
Reforma concluída em 2006.


As esquadrias são fabricadas nas medidas, quantidades e com os projetos que o cliente determina.
Castelo, em Farroupilha-RS.
Obra concluida.
Na execução desta obra, os contramarcos em arco foram colocados antes da execução da alvenaria de pedra, de forma a servir como gabaritos para a perfeita execução da alvenaria.

Catania